segunda-feira, janeiro 16, 2017

TSU


sexta-feira, janeiro 13, 2017

domingo, janeiro 08, 2017

Tempo Novo


Os mais pobres não pagam nem IRS nem IRC, os impostos que baixaram. 
Mas pagam alguns dos que subiram

quinta-feira, janeiro 05, 2017

As cores do mundo só existem nos nossos olhos.


As cores do mundo só existem nos nossos olhos.
Por um acidente qualquer, que desconhecemos, 
os nossos olhos convertem em vermelho 
as frequências da luz entre 480 e 405 tera-hertz. 
Podia ser outra cor qualquer, ou mesmo cor nenhuma.
Quando fotografamos a preto e branco 
percebemos que provavelmente 
nunca chegaremos a perceber 
como o "mundo exterior" realmente é.
As nossas bandeira vermelhas, ou verdes, 
ou amarelas podíamos, com outros olhos, vê-las todas iguais.

quarta-feira, janeiro 04, 2017

O Universo




O Universo

é um espaço infinito, sem tempo e sem memória.
Um gigantesco Alzheimer 
em que todo o passado se resume à forma do agora. 
Nós somos apenas partículas sensíveis. 
Processamos luz e som.

segunda-feira, janeiro 02, 2017

sexta-feira, dezembro 30, 2016

Bom Ano


terça-feira, dezembro 27, 2016

A CONCERTAÇÃO SOCIAL



A CONCERTAÇÃO SOCIAL
tal como é vista pelo Ministro Augusto Santos Silva 
1. Trabalhos preparatórios e confraternização dos parceiros sociais
2. Negociações sobre salário mínimo revelam-se bastante tensas
3. Arménio Carlos e António Saraiva travam-se de razões sob o olhar atento de Vieira da Silva









quinta-feira, dezembro 22, 2016

O duplo



O duplo
ontem vi pela primeira vez esta forma de "traduzir" Marcelo para linguagem gestual, com o tradutor dois passos atrás do Presidente.
Confesso que tive dificuldade em me concentrar. Estava sempre com curiosidade para ver em que gestos iriam ser convertidos os recados subliminares do discurso.
Para além de reduzir a eficácia da comunicação a presença do tradutor cria um ambiente de palco que, dada a própria teatralidade de Marcelo, retira veracidade ao discurso.

sábado, dezembro 17, 2016

Cuidado




CUIDADO
Há 11 anos a euforia da esquerda e a desorientação da direita eram ainda muito maiores.
Sem querer ser desmancha-prazeres tenho no entanto que dizer o seguinte: o homem que teve 45% em 2005, o famoso "engenheiro" Sócrates, acabou como arguido por corrupção. E deixou-nos uma Troika como herança.

sexta-feira, dezembro 16, 2016

A Caixa continua a patinar


A Caixa é essencial e urgente
A recapitalização da Caixa é fulcral
A Caixa deve ser totalmente independente da política
A Caixa precisa urgentemente de uma gestão altamente profissional
A Caixa, ao fim de um ano de retórica, continua a patinar

quarta-feira, dezembro 14, 2016

Alameda das Descobertas hoje de manhã



Alameda das Descobertas hoje de manhã 
Duas ciclovias paralelas, independentes, de Sul para Norte e de Norte para Sul
Como se pode ver o próprio movimento de automóveis é pequeno.
Eliminou-se uma faixa de rodagem para construir a ciclovia. 
Agora, se houver uma situação de emergência, 
com algum carro empanado na única faixa existente, 
como circularão os meios de socorro?





terça-feira, dezembro 13, 2016

A fama dos portugueses





A fama dos portugueses
Centenas de milhões de pessoas, por todo o mundo, julgavam que os portugueses eram autênticos deuses modernos, belos e atléticos, espalhando magia pelos relvados.
Mais recentemente perceberam que afinal também podem ter duplo queixo e fazer discursos chatos.

sábado, dezembro 10, 2016

O populismo



O populismo,
que justamente preocupa os portugueses, é normalmente associado a comportamentos agressivos e desbragados, recheados de teorias politicamente incorrectas.
Mas, correndo o risco de chocar os meus leitores, eu pergunto: os políticos que só dizem coisas redondas e fofinhas, que garantidamente deliciam o povo, não corresponderão também uma uma outra forma de populismo?
Quem governa deve ser avaliado pelo que faz em prol do bem comum ou por demonstrações sentimentais?
Os governantes não são da nossa família e nem sequer do nosso grupo de amigos chegados. Se não nos conhecem de lado nenhum como podem então manifestar-nos tanto afecto?
Será apenas para obter a nossa condescendência quando decidirem levar por diante as suas agendas?

quinta-feira, dezembro 08, 2016

As consequências



Ao contrário do que diz Costa os seus antecessores nunca negaram a possibilidade da recapitalização da CGD. 
Ela foi sempre possível mas com pesadas consequências. 
Estas consequências.
A única habilidade do Costa é conseguir falar da recapitalização como se não tivesse consequência alguma (e ter os partidos à sua esquerda e os sindicatos anestesiados perante o que aí vem).

quarta-feira, dezembro 07, 2016

Pensamento estatístico



Pensamento estatístico
o país vai-se enchendo de lombas que provocam impactos indesejáveis mesmo nos automobilistas que circulam dentro dos limites de velocidade. Presumo que se trata de iniciativas ilegais mas, por obra e graça do políticamente correcto, toleradas.
A todos os imbecis que decidem tal coisa, que parece estar na moda, recomendo um pensamento estatístico.
Por cada acidente que talvez evitem com a instalação das lombas provocarão certamente problemas de saúde nos milhares de cidadãos que são forçados a circular por cima delas (descolamentos de retina, traumatismos vertebrais, etc, etc).

sexta-feira, dezembro 02, 2016

terça-feira, novembro 29, 2016

As vitórias do Costa saem caras


Costa anda há um ano às voltas com a Caixa.
A única coisa que conseguiu foi autorização 
para enterrar lá 6.000 milhões de euros tirados dos nossos bolsos. 
Mais do que nos custou o BES. 
Mas apresenta isso como uma grande vitória.

sexta-feira, novembro 25, 2016

Documento delicioso

Documento delicioso
Trata-se de um relatório, feito por "agentes fiscais", que descreve o famoso "Primeiro Encontro da Canção Portuguesa" que teve lugar no Coliseu a 29 de Março de 1974. A preocupação parecia ser a de verificar se os artistas cantavam algo que não tivesse sido aprovado pela censura.
Eu, como milhares de outros portugueses, estive no Coliseu nesta noite fantástica que, sem dúvida, prenunciava a Revolução de Abril.







quarta-feira, novembro 23, 2016

O produto interclassista e universal



O produto interclassista e universal
Na estrada que leva de S. João dos Angolares até à cidade de S. Tomé fotografei estes dois jovens. Um deles empunha um telemóvel.
Por todo o lado, mesmo em rudimentares aldeias de pescadores, encontrei publicidade e lojas de produtos destinados às "comunicações móveis".
Convenci-me então de que o telemóvel é, na história da humanidade, o produto que maior sedução exerceu em todas as geografias e em todas as classes sociais.

terça-feira, novembro 22, 2016

sábado, novembro 12, 2016

Na estação de Khajurao




Na estação de Khajurao
A cidade é famosa pelos seus templos decorados com esculturas eróticas, um rococó de nus e de fornicação impensável no ocidente cristão.
Quando a visita acabou fui tomar o combóio na direcção de Agra. Tudo isto aconteceu em 2008.
Mas o que eu vos quero dizer é mais geral.
Quando caio inadvertidamente num destes directórios de imagens colhidas durante as viagens eu tenho a sensação de iniciar uma nova jornada. Não ao local então visitado mas a um local sem nome em que o ficheiro do computador se tornou.
E nesta nova viagem eu detecto pormenores que não podia ter visto na correria dos percursos e dos horários.
Detenho-me finalmente sobre os rostos e sobre as formas, com uma exaltante sensação de descoberta.
Aqueles que ridicularizam os viajantes fotógrafos, por andarem sempre a disparar, nunca terão esse prazer de visitar terras inexistentes, construídas com as nossas fotografias, pelas nossas próprias mãos.

Habilidades



Costa, com a habilidade habitual, faz tudo para disfarçar a sua conivência com o génio que contratou.
Se Costa tivesse ideias firmes sobre a obrigação do doutor Domingues se submeter às leis da República não precisava de se esconder atrás do Tribunal Constitucional; ordenava ao seu subordinado que entregasse a devida declaração e, caso ele não obedecesse, procedia à sua exoneração.

quinta-feira, novembro 10, 2016

OEDIPUS REX







OEDIPUS REX

em excelente encenação de Ricardo Pais
no Teatro Nacional de São Carlos
(as fotos foram extraídas do site promocional da ópera)

segunda-feira, novembro 07, 2016

CGD



Aber rações

sexta-feira, novembro 04, 2016

O Estado a que isto chegou


O Estado a que isto chegou
A esquerda tem no seu ADN o sonho de criar um tipo de sociedade radicalmente novo. Quando eu cheguei à política, há mais de 50 anos, a utopia estava ainda bem viva.
Se considerarmos as brutais transformações tecnológicas das últimas décadas tal ideia em vez de utópica pode até ser vista como necessária.
No entanto a ressaca do desmoronamento da URSS produziu uma evolução noutro sentido.
Os partidos anteriormente revolucionários foram-se submetendo à lógica social-democrata e aos encantos do "estado social".
Hoje já ninguém fala de uma nova sociedade.
Isso foi substituído pela invasão dos centros do poder político em troca da manutenção da sociedade capitalista tal como ela é.
Imbuídos de um espírito pretensamente vanguardista os partidos de esquerda tratam de gerir o sistema tomando medidas para que ele, apesar de anacrónico, não seja demasiado insuportável.
De caminho engordam as estruturas do Estado, quantas vezes com amigos e colegas do partido, sugando a sociedade com impostos.
Gera-se então uma contradição fatal; a economia nem é verdadeiramente capitalista nem é outra coisa qualquer.
Por essas e por outras a economia estagna e ninguém sabe muito bem como pô-la a crescer.
O Estado mete o bedelho em tudo e atabafa com os seus milhares de regulamentos grande parte das iniciativas e empreendimentos.
Meio dúzia de génios, inventados nas juventudes partidárias, sentam-se nas cadeiras do poder como se pudessem e soubessem manipular as alavancas de uma economia cada vez mais complexa.
É no Estado que se cruzam os grandes negócios e, com a desculpa da retórica republicana, põe-se os cidadãos a pagar rendas às corporações, falências dos bancos, e todo o tipo de fraudes que diáriamente aparecem nos jornais (hoje é na Força Aérea mas também no SNS às dezenas, na Segurança Social, etc).
Vende-se aos cidadãos a ilusão de que o Estado, e o que é do Estado (por ex. a CGD) garante por natureza a prossecução do interesse público. Apesar de a realidade andar há décadas a mostrar o contrário.

quarta-feira, novembro 02, 2016

"Comparar o que é comparável"



"Comparar o que é comparável"
Anda por aí uma algazarra que pretende convencer-nos de que aquilo que se gastou num ano não tem nada a ver com o orçamento de gastos para o ano seguinte.
O quadro anexo, e a mais básica experiência pessoal, mostram precisamente que o valor que gastámos é uma das melhores bases para a previsão daquilo que gastaremos.
Há realmente uma tradição, deplorável, de orçamentar valores que se sabe à partida serem impossíveis por insuficientes. Mas o facto de esse erro ser antigo não nos deve impedir de criticar quem nele persiste.
O objectivo parece ser óbvio; fazer passar um orçamento que de outra forma apresentaria défices inaceitáveis.
Nota curiosa: o governo socialista gastou menos com a Educação, em 2016, do que os governos neoliberais no auge da crise em 2012, 2013 e 2014.

Erro de casting.



Erro de casting.
Devia ser imediatamente exonerado.

quinta-feira, outubro 27, 2016

Espectáculos


quarta-feira, outubro 26, 2016

Notícias da aldeia global


Em Julho deste ano recebi uma mensagem inesperada de uma senhora, Cecile Clause de Ramirez, americana casada com um peruano. Cecile já viveu alguns anos no Peru com cuja cultura tem, aparentemente, grande empatia. Agora parece viver no Texas.

Ela tinha visto algures na internet uma fotografia feita por mim, em Chinchero, no Peru, em 2011. Na sua mensagem pedia-me autorização para fazer uma pintura a pastel a partir da minha fotografia.

Eu dei-lhe total liberdade e agora, passados uns tempos, ela enviou-me o resultado do seu trabalho.
Para um leigo como eu, incapaz de produzir obras com as tintas, o quadro pintado pela Cecile parece-me muito bem feito e interessante tanto mais que a autora só recentemente se iniciou nestas andanças.

Aqui fica mais esta demonstração das potencialidades da rede informática mundial, que nos permite colaborar com pessoas cuja existência, de outra forma, nunca teríamos descoberto.